MENU

14 de março de 2017 - 13:02Túnel do Tempo

Direto do túnel do tempo (362)

JB2_1gKn_1

 

RIO DE JANEIRO - A Fórmula 1 acaba de apresentar o primeiro carro cor de rosa de sua história – o Force India VMJ10. Mas a coloração pink está longe de ser novidade no automobilismo mundial e inclusive no Brasil, onde Danuza Palhares, que guiava aqui no Rio de Janeiro, tinha um Voyage cor de rosa – que inclusive vi em ação ao vivo numa prova da Copa Shell, o Brasileiro de Marcas e Pilotos, em 1989. Salvo engano, Suzane Carvalho também usou discretamente o matiz em alguns de seus carros.

Mas o bólido da foto acima era demais!

Trata-se do Porsche 917/20 “Pink Pig” que foi inscrito nas 24h de Le Mans em 1971 sob os auspícios da Martini International Racing Team, com a assistência do Team Auto-Usdau, da Alemanha.

O carro causou sensação com a pintura idealizada pelo artista Anatole Lapine, reproduzindo quase que fielmente o estilo do corte das carnes de porco tal como faziam os açougueiros. E com a carroceria redesenhada na França pelos engenheiros da SERA, o 917/20 “Pink Pig” era infernalmente rápido. Há quem diga que chegou a 400 km/h, mas oficialmente a velocidade atingida pelo protótipo guiado por Willi Kauhsen e por Reinhold Joest (ele mesmo!) foi de 386 km/h.

Nos treinos, o “Pink Pig” foi um dos melhores na pré-qualificação e no grid ficou com o 7º tempo – 3’21″, a quase oito segundos da pole position. Na corrida, o protótipo vinha bem e ganhando posições após fechar a primeira hora em nono: na altura da 11ª hora, estavam em quinto, quando o #23 saiu da pista em Arnage e no acidente o carro não pôde mais continuar.

Uma pena.

Há 46 anos, direto do túnel do tempo.

7 comentários

  1. MarcioD disse:

    E foi realmente uma pena a mudança de regulamento para os protótipos no ano seguinte(72) banindo os motores de 5 litros e o 917. O 917 era um carro fantástico, belíssimo, meu esporte protótipo favorito e a Ferrari tinha desenvolvido um concorrente excelente para 71, a bela e potente 512M, mas entregou à equipes privadas, preferindo se concentrar no desenvolvimento do 312 PB de 3 litros. Não fosse isto poderíamos esperar uma luta feroz de 71 em diante. Mas como é de praxe a FIA tinha que estragar tudo, como fez com o grupo C no principio dos anos 90.

  2. Fabio disse:

    E o Emerson Fittipaldi estreou na Indy, em 1984, com um carro rosa, da WIT Racing, equipe do Pepe Romero.

  3. antonio seabra disse:

    Eu vi esse carro, ao vivo, no Museu da Porsche no fim do ano passado.

  4. luigi disse:

    Como eu digo sempre : Engana-se que acha que a Formula 1 é a vanguarda do Automobilismo em todos os aspectos . dos técnicos aos visuais . Graças aquele narrador ignóbil da R G T , muita gente pensa isto,pois não pesquisam e não sabem nada da história do automobilismo.
    Ainda bem que blogueiros como você , procura trazer o conhecimento verdadeiro a seus leitores.
    Se for possível e da sua vontade , gostaria que apresentasse um histórico( como o tunel do tempo) de todos carros que trouxeram item de desenvolvimento ,que hoje os nossos carros usam e que foi inicialmente usado em Le Mans . Para que muitas pessoas saibam onde realmente nasceu as maiores criações que hoje nós temos em nossos carros.

  5. Herik disse:

    Acredito que a Débora Rodrigues chegou a utilizar um caminhão na F-Truck pintado de rosa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>